Portal Futebol

Tudo sobre o futebol Brasileiro e Internacional

Cruzeiro atropela o líder Grêmio no Mineirão

Em jogão, Raposa papa o Tricolor gaúcho e se mantém na briga pelo título

Em jogo movimentado, o Cruzeiro venceu o Grêmio por 3 a 0 no Mineirão, em duelo válido pela 32ª rodada do Brasileiro. Wagner, Jonathan e Guilherme fizeram os gols para a Raposa, que chegou aos 58 pontos, se mantendo na terceira posição. O Grêmio continua na liderança, com 59, mas agora está empatado com o segundo colocado São Paulo no número de pontos, levando vantagem no número de vitórias.

O jogo no Gigante da Pampulha começou à mil por hora. Quem estava comprando o tradicional tropeiro nos bares dos estádio, com certeza perdeu o primeiro gol do Cruzeiro. Aos 14 segundos de partida, Guilherme driblou dois marcadores e fez ótimo passe para Wagner dentro da grande área. O meia, que voltou ao time titular após recuperar-se de lesão, fuzilou a meta de Victor, para abrir o placar.

O gol assustou o Grêmio, que ainda teve de conter a pressão celeste para não levar o segundo. Aos quatro minutos, Thiago Ribeiro recebeu de Fernandinho na direita da área tricolor e bateu, mas Victor salvou.

A Raposa continuava pressionando mas mesmo assim, o Grêmio foi ao ataque. O jogo ficou aberto, e as chances de gol apareceram. O primeiro susto para o gol de Fábio surgiu com seis minutos, quando Souza quase saiu na cara do goleiro celeste. A resposta celeste veio com muito perigo. Ramires cabeceou e Victor fez uma defesa de cinema.

O Cruzeiro tinha mais volume de jogo e velocidade, principalmente pelo lado esquerdo, com Wagner e Jadilson. Guilherme e Thiago Ribeiro também se movimentavam muito e davam trabalho para zaga adversária. Do lado gremista, os contra-ataques vinham com Tcheco e Douglas Costa.

Com o jogo cheio de chances de gol, o torcedor no Mineirão ficou apreensivo pelo menos mais quatro vezes no primeiro tempo. O Tricolor chegou com perigo pelo alto aos 17, com Douglas Costa, e aos 21
com Souza, em cabeçada venenosa.

Já a Raposa chegou com Guilherme, aos 36, quando o atacante limpou a marcação e bateu em cima de Victor. Aos 43, Guilherme mostrou mais uma vez que queria o dele. Após cobrança de escanteio, o camisa 11 da Raposa pegou de fora da área e a bola passou à direita do gol de Victor, com muito perigo.

O segundo tempo voltou eletrizante e logo aos nove minutos, o Cruzeiro deu o segundo golpe no Grêmio. Jonathan recebeu lançamento espetacular de Marquinhos Paraná e invadiu a área. Quase sem ângulo, o lateral tocou para a rede e ampliou o marcador.

Embalada, a Raposa não demorou para fazer o terceiro. Aos 21, Jadilson bateu cruzado para área, Guilherme dominou e fuzilou de esquerda.

Mesmo com os três gols de vantagem, o Cruzeiro não recuou e continou atacando o Grêmio. O Tricolor ainda tentava reagir, e aos 25, Souza quase descontou. Depois dos 30 minutos, a Raposa diminuiu o ritmo e passou a assustar menos. Apenas nos 34 minutos, Fernandinho viu a bola passar com muito perigo pela área do adversário após cruzamento.

A partida terminou com festa para torcida celeste, que comemorou muito o triunfo. Na próxima rodada, o Cruzeiro visita o Goiás no próximo domingo, e o Grêmio recebe o Figueirense.

FICHA TÉCNICA:
CRUZEIRO 3 X 0 GRÊMIO

Data/hora: 29/11/2008, às 21h50 (de Brasília)
Estádio: Mineirão, Belo Horizonte (MG)
Árbitro: Heber Roberto Lopes (PR)
Assistentes: Roberto Braatz (PR) e Erich Bandeira (PE)
Renda/Público: R$ 549.450,00 / 35.560 pagantes
Cartões Amarelos: William Magrão, Rafael Carioca, Souza e Tcheco (GRE); Fernandinho, Ramires e Guilherme (CRU)
Cartões Vermelhos: Não houve
GOLS: Wagner 14”/1ºT (1-0), Jonathan 9’/2ºT (2-0) e Guilherme 21’/2ºT (3-0)

CRUZEIRO: Fábio, Jonathan, Léo Fortunato, Espinoza e Jadilson (Thiago Martinelli, 22’/2ºT); Marquinhos Paraná, Fernandinho, Ramires e Wágner (Camilo, 27’/2ºT); Guilherme (Jajá, 39’/2ºT) e Thiago Ribeiro. Técnico: Adilson Batista.

GRÊMIO: Victor, Leo, Pereira (Perea, 27’/1ºT), Réver e Felipe Mattioni; Rafael Carioca, William Magrão (Makelele, 22’/2ºT), Tcheco, Souza; Douglas Costa (Paulo Sérgio, intervalo) e Reinaldo . Técnico: Celso Roth.

if (!(dominioparceiro)){OAS_AD(‘x10’);}
if (!(dominioparceiro)){OAS_AD(‘x11’);}

outubro 29, 2008 Posted by | Cruzeiro, Grêmio | , , , , | Deixe um comentário

São Paulo vence ‘decisão’ contra o Botafogo

Tricolor é melhor no primeiro tempo, faz 2 a 1 no fim, e cola no líder Grêmio. Alvinegro praticamente dá adeus à Libertadores

Botafogo e São Paulo, ao menos na determinação e emoção despejadas em campo, fizeram um jogo digno de decisão de campeonato, no Engenhão, como proclamado durante a semana. Em dois tempos distintos, melhor para o Tricolor Paulista, que com os 2 a 1, gols de Jean e Hernanes, encostou no líder Grêmio. Já o Alvinegro de Ney Franco, que marcou com Wellington Paulista e foi prejudicado por um gol mal anulado, praticamente deu adeus ao sonho de ir à Libertadores.

O resultado pôs o Sampa com 59 pontos, em segundo, enquanto o Glorioso estacionou nos 49 e na sexta posição.

Os dois treinamentos secretos impostos por Ney Franco durante a semana resultaram em uma escalação que deve ter surpreendido não só a Muricy Ramalho e os torcedores alvinegros, mas os próprios jogadores de sua equipe, que sofreram para se adaptar ao cautelosíssimo esquema com três zagueiros e três volantes, que mais parecia um 5-3-2 tamanho o domínio do São Paulo nos 20 primeiros minutos.

À sua maneira, o Tricolor deitava e rolava. Como de costume, Hernanes tinha liberdade, os alas caíam nas costas de Alessandro e Zé Carlos, Dagoberto e Hugo trocavam passes e, também, de posição com facilidade, o que criou muito perigo a Renan.

Ao Botafogo faltou sobretudo compactação, diante do quadro que se apresentava. Com o time recuado, os zagueiros não tinham padrão para a saída de bola e, principalmente, Diguinho, o cérebro, o maestro, o substituto do camisa 10 Lucio Flavio, jogava isolado dos atacantes e de qualquer outro companheiro.

O panorama, porém, começou a mudar por volta dos 25, quando, na base da conversa, os jogadores alvinegros se acertaram mais e passaram a bloquear os avanços do meio-de-campo adversário, impedindo que as deficiências da formação fossem exploradas com a mesma facilidade e inteligência com que tinham sido até então.

De qualquer forma, a evolução do Botafogo não representou grande perigo para o São Paulo. Jorge Henrique, bem marcado, se preocupava apenas em simular faltas, e Wellington Paulista era pouco acionado. Até o fim da primeira etapa, o time de Muricy procurava se ajustar novamente no jogo, enquanto o de Ney Franco corria desordenadamente e errava passes.

Ao adotar a tática de Parreira, que era criticado por nunca substituir no intervalo, Ney Franco esperou exatos cinco minutos para chamar Luciano Almeida e Fábio, e desmontar o esquema de quem não queria a vitória. Zé Carlos, muito vaiado, e Edson foram sacados.

Mais encorpado, o Botafogo melhorou em campo. Entretanto, dando razão a Ney Franco, que na última quarta havia dito que “há coisas que só acontecem no Botafogo”, Renan cometeu falha incrível ao repor a bola nos pés de Jean, que o encobriu e abriu o placar no Engenhão.

Em desvantagem, Ney resolveu, enfim, adotar a coragem, e promoveu a entrada de Lucas Silva na vaga de Alessandro. E deu certo. De tanto pressionar, Fábio dividiu com Rogério Ceni, e a bola sobrou para Wellington Paulista, que ganhou de Rodrigo e empurrou a rede.

A partir daí, o jogo ficou aceso de vez, e ganhou contornos de uma verdadeira decisão. O Botafogo assumiu seu papel de um legítimo mandante e tomou as rédeas da partida. Mais uma vez, no entanto, em contra-ataque do São Paulo, arma mortal e pouco utilizada pelo time de Muricy na noite desta quarta, Hernanes aproveitou falha de Diguinho, enganou dois marcadores, e fuzilou o gol de Renan, que desta vez nada pôde fazer.

Valente, o Alvinegro não se intimidou, talvez por contar com ao menos seis jogadores considerados reservas, que pareciam se entregar ainda mais. Tanto que, aos 31, Lucas Silva marcou o gol de empate. Inexplicavelmente, o auxiliar Altemir Haussman assinalou impedimento de Wellington Paulista, que teria atrapalhado o goleiro Rogério Ceni.

Isso desencadeou uma série de reclamações enlouquecidas por parte dos botafoguenses, e entoada pelo presidente Bebeto de Freitas, que, à beira do gramado, quase invadindo o gramado, gritava “É uma vergonha, assalto à mão armada!”.

Exaustos, os dois times diminuíram um pouco ritmo depois da confusão. Por mais que a derrota praticamente lhe tirasse qualquer chance de Libertadores, o Botafogo parecia não ter mais forças, nem recursos para entrar na bem postada defesa do São Paulo, que deu um passo maior rumo ao hexacampeonato.

Na próxima rodada, o Botafogo vai a Belo Horizonte encarar o Atlético Mineiro, enquanto o Sampa recebe o Internacional no Morumbi.

FICHA TÉCNICA:
BOTAFOGO 1 X 2 SÃO PAULO

Estádio: Engenhão, Rio de Janeiro (RJ)
Data/hora: 29/10/2008 – 21h50 (de Brasília)
Árbitro: Sérgio da Silva de Carvalho (DF)
Auxiliares: Altemir Haussman (Fifa-RS) e Renato Miguel Vieira (DF)
Renda/público: R$ 92.023,00 / 12.356 pagantes
Cartões amarelos: Diguinho, Alessandro e Renato Silva (BOT); Hugo, Rodrigo e André Dias (SAO)
GOLS: Jean, 16’/1ºT (0-1); Welligton Paulista, 23’/2ºT (1-1); Hernanes, 28’/2ºT (1-2)
BOTAFOGO: Renan, Alessandro, Renato Silva, Andre Luis e Édson (Luciano Almeida, 11’/2ºT); Leandro Guerreiro, Túlio (Lucas Silva, 18’/2ºT), Diguinho e Zé Carlos (Fábio, 10’/2ºT); Jorge Henrique e Wellington Paulista – Técnico: Ney Franco

SÃO PAULO: Rogério Ceni, André Dias, Miranda e Rodrigo; Jancarlos, Jean, Hernanes, Hugo (Anderson, 28’/2ºT) e Jorge Wagner; Dagoberto (Bruno e Borges (André Lima, 19’/2ºT) – Técnico: Muricy Ramalho

outubro 29, 2008 Posted by | Botafogo, São Paulo | , , , , , | Deixe um comentário

Verdão vence o Goiás e segue vivo pelo penta

Palmeiras bate o Goiás no Palestra. Vitória afasta polêmica e mantém o time vivo no Brasileiro

Depois da turbulência durante a semana, depois da derrota para o Fluminense (3 a 0) e declarações de parte a parte, o Palmeiras voltou a vencer e sonhar com o pentacampeonato do Brasileirão. O triunfo sobre o Goiás, nesta quarta-feira no Palestra Itália, por 1 a 0 deixa o time paulista na quarta posição, dentro do G4. Já o Goiás continua na nona posição, e também espera o desfecho da rodada.

Palmeiras e Goiás entraram em campo com pretensões muito diferentes. O técnico da casa, Vanderlei Luxemburgo, escalou dois meias de armação para ajudar Kléber e Alex Mineiro na frente e, com isso, pressionar a povoada defesa de Hélio dos Anjos. Já o treinador do Goiás, a começar pela zaga, preparou um verdadeiro ferrolho, com seis jogadores no meio-de-campo.

Precisando do resultado, o Palmeiras lançou-se à frente no início de jogo. Até a metade da primeira etapa, o Alviverde encontrou muita dificuldade para prosseguir com as jogadas de meio-de-campo. Isso devido a forte marcação da equipe visitante. Bloqueando muito bem as intenções ofensivas do Palmeiras, o Goiás foi perigo nos contra-ataques.

A disputa prosseguiu acirrada. Até que, em bola parada, o Verdão começou a vencer a retranca goiana. Aos 26 minutos, Leandro cobrou falta pela esquerda do ataque. No segundo pau, Kléber – sempre brigador – foi derrubado por Júlio César: pênalti para o Palmeiras. Alex Mineiro cobrou, sem paradinha, e abriu a contagem no Palestra Itália.

Durante o segundo tempo, Hélio dos Anjos tirou o lateral-esquerdo Thiago Feltri e apostou na entrada de Felipe. No Palmeiras, saíram Alex Mineiro e Evandro, para a entrada de Denílson e Sandro Silva, respectivamente.

As alterações pouco mudaram o panorama da partida. Sem objetividade, o Palmeiras passou a maior parte do tempo no ataque. Esporadicamente o Goiás organizou bons contra-ataques. Um deles, quase mortal, se não fosse milagre do goleiro Marcos. Sem novidades, o jogo seguiu neste mesmo ritmo. Bom para o satisfeito Palmeiras.

Na próxima rodada, o Palmeiras vai à Vila Belmiro encarar o Santos no clássico paulista. Enquanto o Goiás recebe o Cruzeiro, no Serra Dourada. As duas partidas acontecem às 17 horas do domingo, e são válidas pela 33ª rodada do Campeonato Brasileiro.

FICHA TÉCNICA

PALMEIRAS 1 X 0 GOIÁS

Estádio: Palestra Itália, em São Paulo (SP)
Data/hora: 29/10/2008 – 20h30min (de Brasília)
Árbitro: Wagner Tardelli (SC)
Auxiliares: Carlos Brekenbrok (SC) e Aparecido Donizeti Santana (PR)

Renda/público: Não disponível
Cartões amarelos: Jumar, Fulano (PAL); Fahel, Rafael Marques, Ramalho (GOI)
GOLS: Alex Mineiro, 27’/1ºT (1-0)
PALMEIRAS: Marcos; Fabinho Capixaba, Gustavo, Roque Júnior e Leandro; Jumar, Pierre, Evandro (Sandro Silva, 25’/2ºT) e Diego Souza (Maicousuel, 36’/2ºT); Kléber e Alex Mineiro (Denílson, 20’/2ºT). Técnico: Vanderlei Luxemburgo

GOIÁS: Harlei; Ernando, Henrique, Rafael Marques; Víctor, Fahel (Anderson Gomes, 33’/2T), Ramalho, Júlio César, Paulo Baier, Thiago Feltri (Felipe, 17’/2ºT); Iarley. Técnico: Hélio dos Anjos

outubro 29, 2008 Posted by | Goiás, Palmeiras | , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , | Deixe um comentário

Fla e Vitória não saem do zero no Barradão

Falta de luz não atrapalhou jogo, que foi movimentado desde o início

O Flamengo desperdiçou grande oportunidade de ficar mais próximo da liderança ao empatar em 0 a 0 com o Vitória no Barradão, mesmo jogando bem. Se diminuiu a vantagem do Grêmio para três pontos, o clube carioca não tem muito a comemorar pois saiu do G4 com a vitória do Palmeiras sobre o Goiás. Já os baianos ganharam uma posição no Brasileiro e estão em nono lugar.

Nem deu tempo para o jogo esquentar e os refletores do Barradão se apagaram aos cinco minutos. A paralização durou quase 26 minutos e as duas equipes voltaram da mesma forma: com muita correria.

Dono da melhor campanha como visitante, o Flamengo estava em casa. Com a presença maciça da sua torcida, a equipe de Caio Júnior tocou bem a bola e foi melhor a maior parte do primeiro tempo, mas esbarrou na falta de pontaria. Obina, Toró e Léo Moura perderam boas chances dentro da área e o apagão na hora da finalização passou para os zagueiros do Flamengo.

Nos últimos cinco minutos do primeiro tempo, quem mandou na partida foi o Vitória, contando com erros na marcação da defesa carioca. Em dia iluminado, Bruno salvou o Flamengo em chutes de Jackson, de fora da área, e de Renan, duas vezes. Mas o clube carioca poderia ter saído na frente do placar se o árbitro Sálvio Spínola tivesse marcado pênalti de Marco Aurélio em Juan.

No segundo tempo, o Vitória voltou melhor e continuou aproveitando os espaços deixados pela defesa do Flamengo. A equipe baiana explorou os chutes de longa distância, mas quem esteve mais perto do gol foram os cariocas, que perderam dois gols, cada uma mais incrível do que o outro. Primeiro, Obina, na pequena área, cabeceou para fora. Depois, foi a vez de Léo Moura desperdiçar gol feito na marca do pênalti e sem goleiro, após boa jogada de Ibson.

A entrada de Maxi no lugar de Marcelinho Paraíba e de Ramon no de Jackson deu mais movimentação ao já corrido jogo. A bola não parou. Vitória no ataque, contra-ataque do Flamengo. Ataque do Flamengo, contra-ataque do Vitória. E mais chances desperdiçadas. Marcelo Cordeiro e Rodrigão pelos baianos, Fierro e Ronaldo Angelim pelos cariocas.

O final do jogo foi dramático, com as duas equipes tentando de tudo para conseguir a vitória. Flamengo e Vitória foram para o tudo ou nada, mas sem sucesso. O empate acabou sendo justo, mas os 35 mil torcedores que foram ao Barradão mereciam ter visto gols.

FICHA TÉCNICA

VITÓRIA 0 X 0 FLAMENGO
Local: Barradão, Salvador (BA)
Data/Hora: 28/10/2008 – 21h50 (de Brasília)
Árbitro: Sálvio Spínola Filho (Fifa-SP)
Auxiliares: Marcelino Tomaz Neto (SP) e Marcelo Carvalho Van Gasse (SP)

Renda/Público: R$ 573.300,00 / 35.000 pagantes
Cartões amarelos: Willians, Jackson, Leonardo Silva, Marco Aurélio (VIT); Kleberson, Obina (FLA)

VITÓRIA: Viáfara, Marco Aurélio, Leonardo Silva, Thiago Gomes e Marcelo Cordeiro; Vanderson, Renan, Willians (Ricardinho, 34’/2ºT) e Jackson (Ramon, 16’/2ºT); Marquinhos e Rodrigão (Robert, 35’/2ºT). Técnico: Vágner Mancini.

FLAMENGO: Bruno, Jaílton, Fábio Luciano e Ronaldo Angelim; Léo Moura, Toró, Ibson (Fierro, 30’/2ºT), Kleberson e Juan; Marcelinho Paraíba (Maxi, 16’/2ºT) e Obina (Vandinho, 39’/2ºT). Técnico: Caio Júnior.

outubro 29, 2008 Posted by | Flamengo, Vitória | , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , | Deixe um comentário

Com gols no fim, Inter e Náutico empatam

Colorado fica longe da Libertadores e Timbu entra na zona de rebaixamento

Com gols marcados no fim do jogo, Internacional e Náutico empataram em 1 a 1, nesta quarta-feira, no Beira-Rio. O Colorado chegou aos 48 pontos, praticamente dando adeus a uma vaga na Libertadores em 2009. Já o Timbu, com 33 pontos, entrou na zona de rebaixamento.

No primeiro tempo no Beira-Rio, houve muita luta no meio-de-campo e as equipes erraram muitos passes. O Internacional, com um ligeiro domínio sobre o Náutico, conseguiu chegar mais próximo de marcar o primeiro gol. Mas a única arma da equipe colorada era a bola pelo alto.

O goleiro Eduardo, do Náutico, teve muito trabalho para cortar os cruzamentos em sua área e evitar que os dnos da casa abrissem vantagem. Aos poucos, o time pernambucano equilibrou a partida e os lances de perigo se tornaram raros.

O Timbu cpassou a usar os contra-ataques para surpreender o Inter. A tática deu certo e, de quebra, segurou a equipe gaúcha em seu campo de defesa.

No segundo tempo, o Colorado voltou mais incisivo e quase abriu o placar ao acertar o travessão após cabeçada de Indio. Mas o ímpeto inicial cedeu e o marasmo voltou a tomar conta da partida. Como o empate não era um mau resultado para o Náutico, o time pernambucano aceitou o estilo de jogo sonolento do Inter e quase não surgiram oportunidades de gol.

No fim, após uuma seqüência de ataques, o Internacional conseguiu o seu gol. Walter cruzou e Ângelo pegou de primeira, fazendo um belo gol, que garantiu o triunfo colorado.

Nos acréscimos, o goleiro pernambucano Eduardo foi á área do Internacional em um escanteio, desviou a bola de cabeça e Vágner empatou a partida, garantindo um ponto para o Timbu.

FICHA TÉCNICA:

INTERNACIONAL 1 X 1 NÁUTICO

Estádio: Beira-Rio, Porto Alegre (RS)
Data/hora: 29.10.08 – 20h30 (de Brasília)
Árbitro: Antônio Hora Filho (SE)
Assistentes: Ivaney Alves de Lima (SE) e Ailton Farias da Silva (SE)
Renda/público: R$ 185.156,00/ 14.464 pagantes
Gols: Ângelo, 39’/2ºT (1-0); Vágner, 47’/2ºT (1-1)
Cartões: Daniel Carvalho (INT); Reinaldo (NAU)

INTERNACIONAL: Lauro; Ângelo, Indio, Bolívar e Marcão; Edinho, Andrezinho (Taison, 26’/1ºT), Guiñazú e D’Alessandro; Guto (Walter, 28’/2ºT) e Daniel Carvalho (Luiz Carlos, 32’/2ºT). Técnico: Tite.

NÁUTICO: Eduardo, Everaldo, Vagner e Adriano; Ruy, Ticão, Reinaldo, André Oliveira (Clodoaldo, 28’/2ºT) e Anderson (Alessandro, 28’/2ºT); William e Gilmar. Técnico: Roberto Fernandes.

outubro 29, 2008 Posted by | Internacional, Náutico | , , , | Deixe um comentário

Em jogo de golaços, Coxa vence Galo, no Couto Pereira

Com dois belos gols na partida, Coritiba vence de virada o Atlético-MG

Com direito a dois golaços, um para cada lado, e uma falha do goleiro atleticano, o Coxa venceu, de virada, o Atlético-MG, no Couto Pereira. Com a vitória o Coritiba vai a 49 pontos e continua sua busca pela Libertadores. O Atlético-MG fica com 38 pontos e vê a zona de rebaixamento se aproximando.

O primeiro tempo foi marcado pelas poucas oportunidades para ambos os lados. Atlético-MG começou atacando o dono da casa, mas não conseguia chegar ao gol de Vanderlei com eficiência. Aos 12 minutos, o volante Serginho saiu lesionado e deu lugar ao zagueiro Nen, dando mais liberdade ao improvisado atacante Raphael Aguiar, atuando na lateral esquerda.
O Coritiba acordou na primeira metade da etapa inicial e tentou jogadas visando o atacante Keirrison que, sozinho no ataque, nada pôde fazer. Em um ataque aos 21 minutos, Ricardinho cruzou pela esquerda e Keirrison desviou de cabeça, mas a bola saiu pela linha de fundo, sem assustar o goleiro Juninho.

Depois de desperdiçar as quase nulas chances de ataque, o Atlético-MG, aos 40 minutos, abriu o placar no Couto Pereira. Renan Oliveira recebeu de costas para o gol, saiu bem da marcação e acertou um belo chute de fora da área. O seis minutos restantes serviram para a equipe mineira se defender e levar a vitória parcial para o vestiário.

Atrás no placar, o Coritiba começou o segundo tempo pressionando o Atlético-MG e foi premiado aos 9 minutos com o gol de Ricardinho. O lateral conduziu para o meio e arriscou de fora da área empatando o marcador. Mais um belo gol na partida. O Coxa continuou pressionando o time visitante e teve duas chances, aos 11 e 12 minutos, com o atacante Keirrison, até então sumido no jogo.

O Coxa permaneceu testando a defesa atleticana, que conseguia afastar o perigo. O Coxa tentava chegar ao gol da virada principalmente através de cruzamentos para a área da equipe mineira.

E foi assim que saiu o gol tão esperado pela torcida que compareceu ao Couto Pereira. Marlos cobrou falta à direita do ataque direto para o gol de Juninho, o goleiro mineiro falhou e espalmou nos pés de Maurício que apenas completou para virar o placar.

Com mais volume de jogo em todo o segundo tempo, o Coritiba relaxou nos minutos finais e deixou o Galo crescer. Aos 39 minutos, Welton se aventurou no ataque e quase marcou o gol de empate. Petkovic, aos 43 minutos, arriscou de fora da área, mas Vanderlei fez uma boa defesa e salvou o Coxa de levar o empate.

Na próxima rodada, o Atlético-MG recebe o Botafogo, no Mineirão, e o Coritiba vai ao interior mineiro enfrentar o Ipatinga.

FICHA TÉCNICA:
CORITIBA 2 X 1 ATLÉTICO-MG

Data/hora: 29/11/2008, às 19h30 (de Brasília)
Estádio: Couto Pereira, Curitiba (PR)
Árbitro: Luiz Flávio de Oliveira (SP)
Público/Renda: 7.522 pag./ Não divulgada
Auxiliares: Ednilson Corona (SP) e Everson Luis Luquesi Soares (SP)
Cartão Amarelo: Elton 33’/1ºT, Sheslon 17’/2ºT, Juninho 21’/2ºT, Welton 45’/2ºT (ATL), Bilu 10’/2ºT (CTB)
Cartão vermelho: Não houve
Gols: Renan Oliveira 40’/1ºT (0-1), Ricardinho 9’/2ºT (1-1), Maurício 28’/2ºT (2-1)

CORITIBA: Vanderlei; Maurício, Bernardi (Bilu, intervalo) e Felipe; Marcos Tamandaré, Alê, Carlinhos Paraíba, João Henrique (Ariel, intervalo), Marlos e Ricardinho; Keirrison (Hugo, 31’/2ºT). Técnico Dorival Júnior.

ATLÉTICO-MG: Juninho, Sheslon, Leandro Almeida, Welton Felipe e Raphael Aguiar; Serginho (Nen, 12’/1ºT), Elton, Márcio Araújo e Renan Oliveira; Pedro Paulo (Beto, 18’/2ºT) e Castillo (Petkovic, 26’/2ºT). Técnico: Marcelo Oliveira.

outubro 29, 2008 Posted by | Atlético-MG, Coritiba | , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , | Deixe um comentário

Lusa bate o Ipatinga e sai da zona da degola

Com o triunfo desta quarta-feira, Portuguesa respira no Brasileirão; Ipatinga está cada vez mais perto da Segundona

Quatro jogos. Este é o número de partidas que a Portuguesa demorou para conseguir vencer o Ipatinga pela primeira vez. Em uma noite inspirada de Fellype Gabriel, os paulistas saíram de campo com a vitória por 2 a 0, nesta quarta-feira, e deixaram a zona de rebaixamento.

O técnico Estevam Soares surpreendeu, colocando Gavillán improvisado na ala direita no lugar de Patrício, machucado. E a mudança deu certo, pois o paraguaio fechou bem o lado direito, impedindo o avanço de Beto.

Outro jogador que estava em uma noite inspirada foi Athirson. Aos seis minutos, o camisa 6 quase abriu o placar no Canindé após bela jogada individual. O gol da Lusa não demorou a sair. Aos 14 minutos, Edno cruzou da esquerda e Fellype Gabriel completou após desvio do goleiro Fernando, abrindo o placar para os lusitanos.

Depois do 1 a 0, a Portuguesa teve chance de ampliar o marcador ainda na primeira etapa. O lance mais perigoso do Ipatinga aconteceu após cobrança de falta, que o goleiro lusitano fez boa defesa, afastando o perigo da área da rubro-verde.

Precisando da vitória, a Portuguesa partiu para cima no segundo tempo. Aos 9 minutos, Fellype Gabriel fez o segundo da partida, após encobrir o goleiro mineiro.

Na próxima rodada, a Lusa vai até o Rio de Janeiro enfrentar o Flamengo, no Maracanã, no sábado, às 18h30min (de Brasília). Já o Ipatinga, recebe o Coritiba, no Ipatingão, no mesmo dia e no mesmo horário.

FICHA TÉCNICA:
PORTUGUESA 2 X 0 IPATINGA

Estádio: Canindé, São Paulo (SP)
Data/hora: 29/10/2008 – 19h30min (de Brasília)
Árbitro: Jailson Macedo de Freitas (ASP. FIFA-BA)
Auxiliares: Alessandro Álvaro Rocha de Matos (FIFA-BA) e Adson Márcio Lopes Leal (BA)

Renda/público: R$ 41.519,00 / 3.225 pagantes
Cartões amarelos: Augusto Recife, Michel (IPA); Ediglê, Gottardi (POR)
Cartões vermelhos: Não houve
GOLS: Fellype Gabriel, 14’/1ºT (1-0); Fellype Gabriel, 9’/2ºT (2-0);

PORTUGUESA: Gottardi, Gavillán, Bruno Rodrigo, Ediglê e Athirson; Rai, Erick, Preto (Wilton Goiano, 32’/2ºT) e Fellype Gabriel (Hérveton, 41 /2°); Edno e Jonas. Técnico: Estevam Soares.

IPATINGA: Fernando, Márcio Gabriel, Sílvio, Gian e Beto (Gilsinho, 28′ / 2°T); Luciano Mandi (Michel, 13 / 2°T), Xaves (Júlio, 15′ /1°T), Augusto Recife e Leandro Salino; Pablo Escobar e Ferreira. Técnico: Enderson Moreira.

outubro 29, 2008 Posted by | Portuguesa | , , , , , , , , , , , , , , , , , , , | Deixe um comentário

‘Fiz a escolha certa’, afirma o capitão William

Zagueiro deixou o Grêmio para virar um dos líderes do Corinthians

Em janeiro deste ano, o zagueiro William deixou o atual líder do Brasileirão da Série A, o Grêmio, para virar um dos grandes líderes do Corinthians. Após garantir o acesso de volta à elite, no último sábado, o capitão garante ter feito a escolha certa:

– Foi bom vir para cá. A repercussão que o Corinthians tem não é igual em lugar nenhum. Talvez só o Flamengo seja parecido no Brasil. Foi uma decisão acertada – disse o zagueiro corintiano à Radio Globo.

Com 61 jogos disputados, William é o que mais atuou pelo Timão nesta temporada. Na terça, porém, foi poupado do amistoso contra o Mixto, em Cuiabá (MT), em razão de uma inflamação no calcanhar direito. Suspenso pelo terceiro cartão amarelo, ele também não enfrenta o Paraná, no próximo sábado, no Pacaembu.


outubro 29, 2008 Posted by | Corinthians | , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , | Deixe um comentário

Dentinho quer mais dois anos no Corinthians

‘Plano de carreira’ faz atacante rejeitar oferta de até R$ 5 milhões; para Mano Menezes, Dentinho está evoluindo

Dentinho vale mais do que R$ 27 milhões? O Corinthians pode conseguir mais do que os 10 milhões de euros oferecidos recentemente por um clube dos Emirados Árabes?

A resposta pode ser negativa. O Timão pode estar precisando de dinheiro para pagar salários e parcelas de dívidas antigas. E o presidente corintiano Andrés Sanchez pode até falar, como falou ao PORTAL FUTEBOL , que por este valor vende o jogador. Mas nada disso vai mudar a idéia do atacante ou o projeto de carreira desenhado para ele.

Para Cláudio Guadagno, agente de Dentinho, não há a mínima chance de transferência para um clube árabe. Mesmo sabendo que o jogador tem direito a 20% do valor total do negócio – o Corinthians tem 57,5% e o Grupo Sonda, 22,5%.

Porque antes de sair, o camisa 31 terá de amadurecer, dentro e fora de campo, terá de passar pela Seleção Brasileira e, quem sabe, disputará a Olimpíada de 2012, em Londres.

Claro, os projetos podem ser concretizados ou não. Mas não há outra forma de o atacante alcançar o objetivo maior, se não tiver paciência.

E qual é o objetivo maior?

A resposta – mesmo sem ser questionado desta maneira – foi dada por Mano Menezes na semana passada.

– Logo, logo Dentinho será um dos grandes jogadores do futebol brasileiro. Ele tem apenas 19 anos, a gente sabe que jogadores desta idade oscilam muito, mas não foi o caso dele. Está mais maduro e evoluindo rapidamente – afirmou o técnico.

O presidente do Corinthians, Andrés Sanchez, viaja nesta quinta-feira para a Europa, acompanhado do diretor Antônio Carlos Zago. Guadagno e Dentinho descartam a possibilidade de os dois se encontrarem com representantes do clube árabe para adiantar a venda, mesmo contra a vontade deles.

Até porque acreditam na palavra do mandatário, que ligou para o empresário na semana passada, ao receber o fax com a proposta de 10 milhões de euros. E porque já avisaram com todas as letras que o projeto de carreira feito para Dentinho inclui mais dois anos no Corinthians.

Pelo menos até que surja uma oferta de um grande clube europeu.

ISTO É DENTINHO

Salário multiplicado por 15
Dentinho deixou as categorias de base do Corinthians, em abril de 2007. No fim do ano, com 20 jogos pela equipe profissional, recebeu o primeiro aumento. Neste ano, sua evolução foi tão rápida que a diretoria corintiana propôs mais duas adições no contrato. Na última delas, o vínculo foi prorrogado até 19 de abril de 2012 e o salário inicial, multiplicado por 15.

Terno completo
No início deste ano, como estava cotado para a Seleção sub-20, o atacante foi orientado a comprar um terno completo para o dia da apresentação. Acompanhado da mãe e da namorada, Dentinho foi à loja e investiu na roupa. Ele não foi convocado, mas acabou usando o terno na festa da Federação Paulista de Futebol, na qual foi premiado como revelação do Paulista.

Baixa a bola, garoto!
Um dos motivos que fazem Dentinho permanecer mais um pouco no país é o processo de amadurecimento por qual precisa passar antes de sair. O desempenho na Série B é exemplo:
1) Começou embalado com a boa fase na Copa do Brasil;
2) Deslumbrou-se com os elogios e passou a exagerar das pedaladas;
3) Corrigiu o defeito a tempo de voltar a marcar gols na Série B.

Bolso controlado
O staff de Cláudio Guadagno, agente de Dentinho, diz que o empresário não controla o dinheiro nem a forma como ele é gasto pelo jogador, mas está sempre atento a possíveis excessos. O que facilita a vida do atacante é a participação da namorada, Léia, que estuda contabilidade e que já mora com ele, além da do gerente do banco onde o camisa 31 do Corinthians tem conta.

Seleção e Olimpíada
Para Dentinho, o objetivo será atingido em 2009, quando ele voltar a jogar a Série A. O atacante acha que, se for chamado, não pára mais. Quem cuida da carreira dele admite que há restrições com atletas da Série B. Até pelos exemplos de Lúcio, Diego Souza e Edmílson, campeões pelo Palmeiras em 2003 e sumidos desde que foram negociados com clubes da Europa e do Japão.

outubro 29, 2008 Posted by | Corinthians | , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , | 1 Comentário

Volantes são o ponto forte do Botafogo

Guerreiro, Tulio e Diguinho são pontos fortes no time de Ney Franco e, diante do São Paulo, terão de provar isso novamente

Com o pensamento de vencer e voltar à briga pelo G4, o Botafogo tem um confronto decisivo contra o São Paulo, nesta quarta-feira, às 21h50, no Engenhão. E para conseguir seu objetivo, o trunfo está no meio-de-campo. Mais especificamente nos volantes, ponto forte do time alvinegro.

Prova disso é que no último jogo, contra o Ipatinga, os três gols foram marcados pelos volantes Leandro Guerreiro, Diguinho e Thiaguinho. Este último estará na reserva, pois Túlio é o titular da posição.

Durante o Brasileiro, os volantes têm sido fundamentais para o Botafogo. Na arrancada que levou o time ao G-4, por exemplo, Túlio brilhou, fazendo até gols. Diguinho é outro jogador de destaque, tanto que se valorizou muito e despertou o interesse de inúmeros clubes.

Os cães-de-guarda alvinegros são constantemente elogiados por Ney Franco, que esconde a escalação do time a sete chaves, pois comandou outro treino secreto ontem no Engenhão. Hoje, os volantes terão uma função a mais. O motivo é que os principais armadores não jogam.

– Não teremos nosso maestro, Lucio Flavio, nem o Carlos Alberto. Eles dão o passe diferente, então alguém terá de fazer isso. Meu papel é mais de contenção, Diguinho e Túlio têm mais qualidade para chegar ao ataque. O jogo será decidido no meio-de-campo – diz Leandro Guerreiro.

Mas o São Paulo também é forte nesse setor. Apesar de Zé Luis e Richarlyson não poderem jogar hoje, devido a suspensões, Hernanes, tido por muitos como o melhor volante em atividade no Brasil, atuará. Nada que preocupe os alvinegros.

– Sempre frisei que Diguinho é um dos melhores volantes do Brasil. Sabe jogar e marcar, além de correr muito durante os 90 minutos. Na minha opinião, sou mais Diguinho do que Hernanes, até porque o acompanho mais – completa Guerreiro.

Números dos volantes do Fogão

46 dribles deu Diguinho no Brasileiro. Além de marcar, ele também mostra habilidade.
5 desarmes faz Diguinho por jogo no Brasileiro, em média. É um dos melhores nesse aspecto.Quanto a gols, fez dois. No total, tem cinco pelo clube.
1,3 faltas comete Guerreiro por jogo, em média. O número é considerado baixo para volante.
20 passes acerta o volante alvinegro, em média, por partida. Leandro Guerreiro costuma errar muito pouco, apenas dois passes por jogo.
5 gols marcou o volante no Brasileirão deste ano. Pelo Botafogo, já balançou redes 30 vezes no total.
26 finalizações deu o jogador no Campeonato Brasileiro. Ele costuma aparecer como elemento surpresa.

outubro 29, 2008 Posted by | Botafogo | , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , | Deixe um comentário

TV Globo ao VIVO

CLIQUE NA IMAGEM E VEJA O JOGO AO VIVO

TRANSMISSÃO TV GLOBO

outubro 29, 2008 Posted by | TV ao Vivo | , , , , , , , | 20 Comentários