Portal Futebol

Tudo sobre o futebol Brasileiro e Internacional

Mário Sérgio chega dizendo que Figueira brigará por vaga na Sul-Americana

Novo treinador diz que só depende dele e dos jogadores a classificação para a competição continental.

Em sua apresentação na tarde desta terça-feira o novo técnico do Figueirense, Mário Sérgio, de 58 anos, afirmou que seu objetivo à frente do time não se resume em conseguir distância da zona de rebaixamento. Ele garantiu que a luta do alvinegro será por uma vaga na Copa Sul-Americana. Atualmente, a equipe catarinense ocupa a 15ª posição na tabela do Brasileirão, com 28 pontos, e a distância que a separa da degola e da chance de disputar a competição internacional é a mesma: dois pontos.

– Nós estamos muito perto da Sul-Americana. Sei que muitos vão dizer que também estamos perto do rebaixamento, mas só depende da gente. Temos as duas opções e eu prefiro escolher a da Sul-Americana – explica.

O treinador foi apresentado no Centro de Formação e Treinamento do Cambirela, onde a equipe treina para a partida contra o Cruzeiro, no próximo domingo, às 16h, no estádio Orlando Scarpelli. Mário Sérgio não perdeu tempo e comandou o primeiro trabalho com o grupo nesta tarde. Para ele, uma derrota diante da Raposa já seria responsabilidade sua:

– Eu não sou uma pessoa que procura desculpas por qualquer tipo de resultado negativo. Se nós perdemos para o Cruzeiro, a responsabilidade será totalmente minha. Não costumo colocar culpa nas pessoas que passaram no clube antes de mim – enfatiza.

“Prefiro apoio agora a aplausos na Série B”

Mário Sérgio enfatizou a dificuldade que é a disputa do Nacional. Para ele, o segredo é sempre garantir os três pontos jogando em casa.

Divulgação/Agência Estado

Mário Sérgio quer vaga na Sul-Americana

– É um campeonato muito difícil. Enquanto muita gente acha que você tem que ganhar fora, eu acho que é preciso ganhar todas dentro. É muito difícil vencer fora. O Palmeiras, por exemplo, está na vice-liderança e só agora conquistou a terceira vitória fora de casa – analisa.

O técnico acredita que a torcida é essencial para se conquistar as vitórias como mandante. Ele disse saber que é difícil pedir o apoio do torcedor quando o time está próximo da zona de rebaixamento, porém, alerta:

– Eu prefiro que o torcedor apóie agora o time, do que depois tenha que aplaudi-lo na segunda divisão. Os jogadores estão inseguros pelo momento, e se não receberem suporte da torcida, ficará mais complicado ainda.

Boa relação com clube

Esta é a segunda passagem do técnico pelo clube catarinense. Em 2007, ele comandou o Figueirense à inédita final da Copa do Brasil. Sob seu comando, o alvinegro conquistou 19 vitórias, 11 empates e 12 derrotas. O técnico fez questão de destacar que manteve uma boa relação com o clube, mesmo após a sua saída no ano passado.

– A relação que eu tive com o Figueirense sempre foi muito boa, em todos os segmentos do clube eu fui respeitado. A minha saída (em 2007) ocorreu em função de resultados. E, no futebol, principalmente no brasileiro, a cultura é essa: se a coisa não vai bem, é necessária a mudança, como aconteceu agora – observa.

Para Mário Sérgio, o fato de ser convidado para dirigir o grupo pela segunda vez significa reconhecimento por um trabalho bem feito na primeira oportunidade:

– O que me deixa muito satisfeito é quando eu tenho esse reconhecimento através de um novo convite. Isso aconteceu três vezes no Atlético-PR e duas vezes com o Corinthians, com o Vitória e com o Figueirense. Isso significa muito pra mim, porque é sinal de que fiz um bom trabalho. E aqui eu tenho um ambiente muito bom, o que me fez retornar.

Reforços

E o novo comandante vai contar com reforços para garantir a reabilitação do time. Na apresentação do técnico, o diretor superintendente da Figueirense Participações, Rodrigo Prisco Paraíso, disse que o clube pretende apresentar, ao menos, dois novos jogadores até sexta-feira, quando se encerra o prazo para as inscrições de jogadores na Série A. O novo técnico, no entanto, deixou claro que sua prioridade será o elenco atual:

– A minha conduta como treinador não é cobrar reforços, quando venho trabalhar no time é porque gosto do grupo. E a diretoria, com certeza, vai trazer os jogadores porque ela, mais do que eu, possui a noção exata do que precisamos – finaliza.

setembro 17, 2008 - Posted by | Figueirense | , , , , , , , ,

Nenhum comentário ainda.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s