Portal Futebol

Tudo sobre o futebol Brasileiro e Internacional

Botafogo vence a ‘decisão’ no G4 sobre o Coritiba

Time de Ney Franco vence a quarta consecutiva fora de casa e se isola em quarto lugar.

O negócio do Botafogo de Ney Franco parece mesmo ser jogar fora de casa. Com uma postura ofensiva e aguerrida, o time conquistou a quarta vitória consecutiva longe do Engenhão ao bater o Coritiba por 1 a 0, gol de Thiaguinho, no Couto Pereira, neste sábado, e atingir a 14ª partida de invencibilidade.

Com o resultado, a equipe de General Severiano volta a figurar no G4 ao ultrapassar o Flamengo, agora com 42 pontos. Já o Coxa estacionou nos 37 e caiu para oitavo.

De duas equipes ofensivas e, sobretudo, de dois técnicos ousados, não poderia se esperar um panorama diferente. Coritiba e Botafogo fizeram um primeiro tempo muito movimentado, de ótimo nível técnico e, por conta da maneira “européia” de apitar do árbitro gaúcho Leandro Vuaden, de nervos à flor da pele.

Ao menos quatro grandes chances de gol foram criadas por ambos os lados. Participativo, porém mais uma vez descontrolado, Carlos Alberto desperdiçou duas delas. Não por acaso, o excelente goleiro Vanderlei foi o responsável por garantir o empate, já que o Botafogo foi mais incisivo e teve mais posse.

Bom nas bolas aéreas – até então um ponto forte também do Botafogo – o ataque do Coxa incomodou, principalmente através do zagueiro Maurício. Duas vezes Triguinho teve de aparecer para salvar em cima da linha. Keirrison chegou a acertar o travessão em um desses desvios.

Para estragar a festa, no entanto, há de se destacar o excesso de tolerância do árbitro, que, ao ignorar diversas faltas claras, criou uma animosidade desnecessária entre os jogadores. Túlio, Carlos Alberto e Rodrigo Mancha se envolveram em discussões e revides e acabaram advertidos com cartão.

Nos 10 minutos finais, o Coritiba ensaiou uma pressão, sobretudo pelo lado direito, com o bom lateral Rodrigo Heffner. As conclusões, porém, pararam nas intervenções de Renan.

No segundo tempo, a equipe alviverde perdeu a intensidade e pareceu sucumbir à maior categoria dos jogadores do Botafogo, que jogavam como se estivessem no Engenhão. A marcação era no campo do adversário e o toque de bola rápido e refinado.

Diferentemente dos 45 minutos iniciais, o time dirigido por Ney Franco não criou situações claras de gol. Mas se não dava dentro da área, o jeito foi arriscar de fora dela. Aos 26, Jorge Henrique rolou para trás e Thiaguinho soltou uma bomba no ângulo esquerdo de Vanderlei que, desta vez, nada pôde fazer.

Em desvantagem, o técnico Dorival Júnior, que promovera as entradas dos ofensivos Guaru e Ariel, tentou uma última cartada ao lançar Thiago Silvy, mais um atacante, na vaga de Heffner.

Com isso, a partida mudou sensivelmente de figura. O Coritiba pressionou até o fim, só que de forma desordenada, enquanto o Botafogo limitou-se a contra-atacar. Em um deles, Gil perdeu a oportunidade de matar o jogo, parando novamente em Vanderlei.

Na próxima partida, o Botafogo encara o Internacional, domingo, no Engenhão, e o Coritiba pega o Vitória, no Barradão, no mesmo dia.
FICHA TÉCNICA:
CORITIBA 0 X 1 BOTAFOGO

Estádio: Couto Pereira, Curitiba (PR)
Data/hora: 06/09/2008 – 18h20h (de Brasília)
Árbitro: Leandro Pedro Vuaden (Asp.Fifa-RS)
Auxiliares: Marcelo Bertanha Barison (RS) e José Antonio Chaves Franco Filho (Fifa-SP)
Renda/público: R$ 289.785,00 / 19.090 pagantes
Cartões amarelos: Leandro Donizete, Rodrigo Mancha, Maurício e Guaru (CBA); Carlos Alberto, Túlio e Jorge Henrique (BOT)
Cartões vermelhos: –
GOL: Thiaguinho, 24’/2ºT (0-1)

CORITIBA: Vanderlei, Maurício, Rodrigo Mancha e Tiago Bernardi; Rodrigo Heffner (Thiago Silvy, 26’/2ºT), Leandro Donizete, João Henrique (Ariel, 13’/2ºT), Carlinhos Paraíba e Ricardinho; Marlos (Guaru, 23’/2ºT) e Keirrison – Técnico: Dorival Júnior.

BOTAFOGO: Renan, Thiaguinho (Alessandro, 28’/2ºT), Renato Silva, Andre Luis e Triguinho; Diguinho, Túlio, Lucio Flavio e Carlos Alberto (Gil, 36’/2ºT); Jorge Henrique e Wellington Paulista (Zé Carlos, 45’/2ºT) – Técnico: Ney Franco

setembro 6, 2008 Posted by | Botafogo, Coritiba | , | Deixe um comentário

Náutico vence Tigre e sai da zona de rebaixamento

Com dois gols do atacante Felipe, o Náutico subiu para a 15ª colocação.

Com uma boa atuação do atacante Felipe, que marcou os dois gols da partida, o Náutico conseguiu a vitória por 2 a 0 contra o Ipatinga e saiu da zona de rebaixamento do Campeonato Brasileiro.

Na etapa inicial, o Náutico fez valer o seu mando de campo e, empurrado pela torcida, pressionou o Ipatinga. Contudo o time pernambucano não conseguiu mexer no placar, no Aflitos.

O Náutico pressionou o Tigre, principalmente pelas laterais, enquanto o Ipatinga apostou nos contra-ataques e nos infrutíferos chutes de longa distância .

O arqueiro ipatinguense fez pelo menos duas defesas importantes na primeira etapa. A primeira, aos 14 minutos, Fernando espalmou a cabeçada de Vágner, que finalizou sozinho de dentro da área. A segunda boa defesa do goleiro foi aos 24 minutos depois da investida de Kuki que ficou cara-a-cara com Fernando que conseguiu fechar o bem o ângulo e impedir o gol.

A segunda etapa foi mais equilibrada com o Ipatinga saindo mais do campo de defesa e se arriscando no ataque. Logo aos 2 minutos, o atacante do Tigre, Ferreira, ficou cara-a-cara com o goleiro Eduardo, mas chutou em cima do arqueiro, perdendo uma boa chance.

Aos 13 minutos, o Náutico animou a sua torcida com Gilmar. O meia recebeu passe de Alessandro e finalizou de primeira, assustando o goleiro Fernando.

Após se segurar na defesa e conseguir algumas investidas no ataque, o Náutico conseguiu abrir o marcador com Felipe, que entrou a pedida da torcida. Ele recebeu na entrada da área e chutou com força, de esquerda, sem chances para o goleiro do Ipatinga.

O Ipatinga poderia ter empatado a partida aos 35 minutos, mas o juiz não marcou o pênalti em Adeílson feito por Ruy, causando a revolta do time mineiro.

No fim da partida, aos 43 minutos, de novo Felipe invadiu a área ipatinguense, saiu da fácil da marcação, limpou o goleiro Fernando e deu números finais ao jogo.

Na próxima rodada o Ipatinga recebe o Atlético, no sábado, e o Náutico vai ao Rio de Janeiro enfrentar o Vasco, no domingo.

FICHA TÉCNICA:

NÁUTICO 2 X 0 IPATINGA

Estádio: Aflitos, Recife (PE)
Data/hora: 06/09/08 – 18h20 (de Brasília)
Árbitro: Elmo Alves Resende Cunha – Fifa (GO)
Auxiliares: Flavio Gilberto Kanitz (GO) e Marco Antônio de Mello Moreira (GO)
Público/Renda: /
Cartões Amarelos: Gilmar, Kuki (NAU) , Augusto Recife, Adeílson, Beto (IPA)
Cartões Vermelhos: Não houve
GOLS: Felipe (NAU), 33’/2ºT; Felipe, 43’/2ºT

NÁUTICO: Eduardo, Ruy, Vágner, Adriano e Valdeir (Alessandro, intervalo); Hamilton, Radamés, Paulo Santos e Gilmar (William, 25’/2ºT); Clodoaldo (Felipe, 15’/2ºT) e Kuki. Técnico: Roberto Fernandes.

IPATINGA: Fernando; Márcio Gabriel (Paulinho Dias, 16’/2ºT), Henrique, Gian e Beto; Augusto Recife, Xaves, Leandro Salino (Luis Fernando, 38’/2ºT) e Luciano Mandi; Adeílson e Ferreira (Kempes, 28’/2ºT). Técnico: Márcio Bittencourt.

setembro 6, 2008 Posted by | Náutico | , | Deixe um comentário

Inter vence e afunda a Portuguesa

Em seu retorno, Alex brilha, dá assistência e ‘salva’ o emprego de Tite.

A Portuguesa segue ladeira abaixo no Campeonato Brasileiro. Neste sábado à noite, perdeu por 1 a 0 pelo Internacional, no Beira-Rio, em Porto Alegre. Foi o segundo jogo do técnico Estevam Soares no comando da Lusa. Em sua estréia, o time empatou por 1 a 1 com o Atlético-MG. Com o novo revés, o time do Canindé chegou ao quinto jogo sem vitória e permanece na penúltima colocação. Já o Internacional, que não vencia há duas rodadas, fez as pazes com o seu torcedor.

O primeiro tempo mostrou a dificuldade das equipes no sistema ofensivo. O Inter sentiu muito a falta do argentino D’Alessandro e também de Nilmar, que defendem Argentina e Brasil, respectivamente, em jogos das Eliminatórias.

A Lusa, com uma postura mais defensiva, segurou até os 30 minutos as principais armas do Internacional. Com Jonas e Washington, assustou o goleiro Clemer, que foi obrigado a fazer duas boas defesas.

A partir daí, a estrela do meia Alex começou a brilhar. Ele, que voltou ao time titular após se recuperar de uma lesão na coxa direita, chutou duas bolas perigosas ao gol de Sérgio. Depois, após rebote de um escanteio, cruzou na cabeça do volante Magrão, que só desviou e marcou o gol da vitória do Internacional.

A Lusa se abateu com o gol. Apático, o time diminuiu o poder de marcação para buscar o gol de empate, e deu muito mais espaço para o rival. Alex e Luiz Carlos perderam boas chances. Não fosse falha bizarra de Jonas em finalização de frente para o gol de Clemer, a Portuguesa teria empatado antes dos 15 minutos da segunda etapa.

As substituições melhoraram a Lusa. Fellype Gabriel acertou a trave em chute de longe. O Inter se segurou e garantiu sobrevida a Tite ameaçado de demissão.

FICHA TÉCNICA:
INTERNACIONAL-RS 1 X 0 PORTUGUESA-SP

Estádio: Beira-Rio, Porto Alegre (RS)
Data/Hora: 18h20 (de Brasília)
Árbitro: Marcelo de Lima Henrique (Fifa-RJ)
Auxiliares: Hilton Moutinho Rodrigues (Fifa-RJ) e Dibert Pedrosa Moisés (Fifa-RJ)
RENDA E PÚBLICO: R$ 108.178,00 / 9.349 Público total
CARTÕES AMARELOS: Álvaro, Ricardo Lopes (INT); Erick, Wilton Goiano (POR)
CARTÕES VERMELHOS: Não houve
GOLS: Magrão, 28’/1ºT (1-0);
INTERNACIONAL-RS: Clemer, Ricardo Lopes, Índio, Álvaro e Gustavo Nery; Edinho, Magrão, Andrézinho (Rosinei, 41’/2ºT e Taison; Alex (Guto, 36’/2ºT) e Luiz Carlos (Daniel Carvalho, 12’/2ºT). Técnico: Tite

PORTUGUESA-SP: Sérgio, Patrício (Fellype Gabriel, 18’/2°T), Aderaldo, Halisson e Wilton Goiano; Erick, Carlos Alberto, Preto e Edno (Héverton, 32’/2ºT); Jonas e Washington (Vaguinho, 26’/2ºT). Técnico: Estevam Soares

setembro 6, 2008 Posted by | Internacional, Portuguesa | , , | Deixe um comentário

Fluminense e Grêmio não saem do zero no Maracanã

Em um jogo de muitos passes errados, o líder arranca o empate fora de casa.

O Fluminense recebeu o líder do Campeonato Brasileiro, Grêmio, no Maracanã em um jogo-chave para as duas equipes. No entanto, nenhuma das duas conseguiu o resultado desejado: em um 0 a 0 corrido, o Tricolor carioca voltou à zona de rebaixamento e o Tricolor gaúcho perdeu a oportunidade de se isolar de vez na liderança da competição.

Apesar de muitos passes errados no meio-de-campo, o jogo começou agitado com ambas as equipes partindo para cima do ataque adversário. Enquanto o Grêmio explorava as jogadas aéreas próximas ao gol de Diego, o Fluminense conseguia avançar se aproveitando dos passes errados da equipe gaúcha.

A vontade era grande dos dois lados, mas o perigo real de gol raramente acontecia. O Grêmio utilizou muito bem sua linha de impedimento, mostrando um dos motivos que o faz ter a defesa menos vazada do Campeonato Brasileiro: em apenas 20 minutos de jogo, a arbitragem marcou três impedimentos do ataque do Fluminense, que seguia desperdiçando chances de tentar abrir o placar no Maracanã.

Aparecendo com força no jogo pela primeira vez somente aos 38 minutos de partida, Maicon avançou pela direita e conseguiu dar o passe para Washington, dentro da área. O número 9 do Fluminense girou, se livrou da marcação e, quando estava cara a cara com o goleiro, deu um chute fraquíssimo nas mãos de Victor. Quando a torcida tricolor ainda não acreditava no lance, Washington desperdiçou uma ótima chance de gol novamente: após cobrança de escanteio aos 45 minutos, a bola sobrou no segundo pau e ele, sozinho na pequena área, acertou a bola na trave. Depois de muita correria, as equipes levaram o empate sem gols para o vestiário.

O segundo tempo começou exatamente da mesma forma que o primeiro. Os técnicos não fizeram nenhuma alteração e o grande número de passes errados permaneceu sendo a tônica da partida. Cuca, enfim, resolveu colocar Somália e, ao lado de Washington no ataque, o trio de zagueiros do Grêmio começou a ter mais trabalho. Pouco tempo depois, entrou também na equipe tricolor, o garoto Tartá, dando mais velocidade ao time carioca. As substituições surtiram algum efeito e o Fluminense cresceu no jogo, fazendo pressão em cima do líder do campeonato.

Se vendo acuado, o Grêmio começou a adotar um comportamento inesperado: isolada na liderança do Brasileiro, a equipe de Celso Roth, tentou começar a administrar a partida com toques de bola e diminuindo o ritmo de jogo. Já com 30 minutos da segunda etapa, o nervosismo do empate fez com que o número de passes errados da equipe gaúcha, que já era alto, aumentasse muito. Mas quando tudo parecia a favor do Fluminense, Washington se desentendeu com o goleiro Victor e acabou sendo expulso, aos 42 minutos. O Grêmio manteve a calma e conseguiu manter o resultado até o fim.

Com este resultado, o Fluminense lamenta a sua volta à zona de rebaixamento, somando 25 pontos na 17ª posição da tabela. Já o Grêmio permanece líder do Brasileiro com 49 pontos, mas perde a chance de se isolar ainda mais na luta pelo título nacional.

FICHA TÉCNICA:

FLUMINENSE 0 X 0 GRÊMIO

Estádio: Maracanã, Rio de Janeiro (RJ)
Data/hora: 06/09/2008 – 18h20 (de Brasília)
Árbitro: Heber Roberto Lopes (Fifa-PR)
Auxiliares: Milton Otaviano dos Santos (RN) e Ivan Carlos Bohn (PR)

Renda/público: R$ 287.916,00 / 18.852 pagantes

Cartões amarelos: Soares, Hélder, André (GRE); Everton Santos (FLU)
Cartões vermelhos: Washington, 42’/2ºT (FLU)

GOLS: não houve.

FLUMINENSE: Diego, Thiago Silva, Luiz Alberto e Roger; Everton Santos (Alan, 36’/2ºT), Fabinho (Somália, 4’/2ºT), Maurício, Conca e Junior Cesar; Maicon (Tartá, 13’/2ºT) e Washington. Técnico: Cuca.

GRÊMIO: Victor, Leo, Pereira e Réver; Paulo Sérgio, Rafael Carioca, William Magrão (Soares, 12’/2ºT), Tcheco e Hélder; Souza (Orteman, 19’/2ºT) e Marcel (André, 29’/2ºT). Técnico: Celso Roth.

setembro 6, 2008 Posted by | Fluminense, Grêmio | , | Deixe um comentário